Welcome to my website

Este espaço é dedicado á divulgação de notícias, artigos e informação relacionada com o fenómeno OVNI. Desde Portugal para o resto do mundo.

sábado, 13 de janeiro de 2018

OVNI ALVEJADO QUANDO PAIRAVA SOBRE DEPÓSITO DE ARMAS NUCLEARES


. O caso que se segue foi recentemente relatado a Robert Hastings, um dos maiores especialistas da Ufologia Mundial em ocorrências envolvendo a presença de ovnis sobre bases militares e depósitos de armas nucleares, pelo ex-militar Michael D. Jenkins. No início dos anos 70 Michael era membro do 96º Esquadrão de Polícia de Segurança (SPS) na Base da Força Aérea de Dysess, no Texas. Esta era o lar do 96º Grupo de Bombardeio, equipado com aeronaves Boeing B-52. As armas nucleares da base eram armazenadas na Área de Armazenamento  de Armas (WSA) a cargo do 96º Esquadrão de Manutenção de Munições (MMS). Em Outubro de 1973, Michael era sargento, designado como E-4, trabalhava na Central Secundária de Controle de Segurança, na área de manutenção de munições. O ex-militar relata que estava acompanhado de um amigo quando notou a aproximação de um veículo vindo da área do quartel-general. O veículo tinha duas luzes amarelas acionadas, identificando-o como sendo o do comandante da base. Em seguida surgiu um veículo da Equipa de alerta de Segurança, designado como SAT-2, aproximando-se do local onde estava Michael. Uma sirene de alarme soou nesse momento, e todos receberam ordens da Central de Controle de Segurança (SSC) para se prepararem. Os militares foram levados ao CSC, situado próximo á pista de descolagem, que para Michael parecia mais iluminada que o normal, facto que ele atribuiu á Lua surgindo no horizonte. Os militares então receberam ordens de se armarem e jenkins foi designado para o veículo SAT-3, que patrulhava o perímetro oeste da base. O militar ouviu pelo rádio que 12 outros militares fuzileiros foram enviados para a área do MMS. As equipas que actuavam com cães (K-9) já estavam no perímetro dessa área, porém informaram que os cães demonstravam medo e receberam ordens de se afastarem. Michael Jenkins ouviu ainda que um avião de transporte Lockheed C-130 Hercules que estava em aproximação para pouso na base recebeu ordens de sobrevoar e observar a área MMS. O militar receia essas informações pelo rádio do veículo que ocupava com os seus colegas, e depois chegou a instrução de que deveriam atirar num objecto que estava a pairar sobre os depósitos de armas. A ordem de afugentar o intruso da área veio directamente do quartel-general do Comando Aéreo Estratégico na Base da Força Aérea de Offutt. Momentos depois o militar conta que puderam ouvir disparos de armas de fogo pela base, e em seguida observaram uma luz branco-azulada que se afastava em alta velocidade no rumo sudoeste. Jenkins comenta que o ovni passou directamente sobre a ponta final da pista, e depois de três horas receberam ordens de regressar para o CSC, devendo aguardar na sala de inspeção para posteriores instruções. Enquanto aguardavam Jenkins conversou com os seus colegas que haviam disparado contra o ovni, constatando que estavam todos assustados. Um sargento chegou a afirmar que nunca acreditara em discos voadores, mas havia mudado de opinião.

(Vista aérea da Base da Força Aérea de Dysess, local da ocorrência)


ORDENS PARA NÃO COMENTAR COM NINGUÉM A OCORRÊNCIA

. Outro militar descreveu o ovni como uma grande bola de luz quew pairava a 45 ou 60 metros de altura sobre os depósitos de armas nucleares. Depois de 20 minutos um oficial entrou e disse que qualquer um que perguntasse a respeito do incidente deveria ser denunciado no Escritório de Informações da Base. E eles receberam ordens de não comentar a ocorrência com ninguém, sob pena de corte marcial. Um dos militares descreveu como o ovni deixou vazar alguma coisa enquanto voava sobre a base, um material branco que é conhecido na Ufologia como "cabelos-de-anjo". No dia seguinte Jenkins foi designado para a área do CSC Primário, e foi encarregado de levar uma mensagem ao oficial comandante. O envelope estava marcado como "classificado" mas não selado. Como Jenkins possuía classificação de segurança "ultra-secreto" ele rapidamente leu a mensagem, que dizia que o material fora enviado para o Departamento de Saúde Pública do Texas. Os "cabelos-de-anjos" permaneceram em vários locais por três dias, quando choveu e se dissolveram.No dia seguinte Jenkins estava novamente no CSC quando chegou outra mensagem, desta vez "ultra.-secreta", e novamente ele deu uma rápida olhada no conteúdo. Dizia que após uma análise química completa no material, a opinião do laboratório era de que a substância não era deste mundo. 
Michael Jenskins foi dispensado pela Força Aérea norte-americana (USAF) em 1974, e nada comentou sobre o incidente até 1977. Nesse ano ele descreveu a sua experiência para o Centro para o Estudo de OVNIS (Cufos), sem obter resposta. A mesma coisa aconteceu quando ele contactou a Rede Mútua de OVNIS (Mufon) em 2015, quando tomou a decisão de escrever para Robert Hastings. A um pedido do pesquisador o ex-militar enviou-lhe o seu histórico de serviço militar DD214, além de fornecer nomes de outras pessoas envolvidas com a ocorrência. Robert Hastings afirma que tentará o contacto com esses outros ex-militares, a fim de confirmar a impressionante história.





sábado, 6 de janeiro de 2018

EX-AGENTE DO PENTÁGONO DIZ QUE A TECNOLOGIA EXISTENTE NOS OVNIS NÃO EXISTE NA TERRA E QUE POR ISSO NÃO ESTAMOS SOZINHOS NO UNIVERSO



. A repercussão da revelação quanto á investigação ufológica oficial promovida pelo Pentágono entre 2007 e 2011, cujo orçamento investido foi de 22 milhões de dólares, não para de crescer. Foi divulgada recentemente uma entrevista com Luis Elizondo, ex-agente de Inteligência que comandou o projecto, e que afirmou: " A minha opinião é que existe uma evidência bastante contundente de que nós não estejamos sozinhos". A entrevista foi concedida para a rede CNN. Elizondo agora faz parte, ao lado dos também ex-funcionários do Departamento de Defesa Christopher K. Mellon e Harold E. Puthoff, da To the Stars Academy of Arts and Science, iniciativa de investigação do polémico Tom DeLonge.
Luis Elizondo comentou que o programa investigou vários casos envolvendo o que chama de aeronaves estranhas: " Essas aeronaves, nós as chamamos aeronaves, demonstram características que não se encontram no inventário dos Estados Unidos, nem de qualquer outro inventário de que saibamos...". Ele sublinhou que os seus comentários não significam necessariamente que as naves observadas sejam extraterrestres, e que o foco da investigação era em descobrir qualquer problema em potencial relacionado á segurança nacional norte-americana. Ele afirma que o objectivo era identificar o que as testemunhas viam e determinar se essa informação era uma ameaça, revelando que descobriram muitas coisas. O ex-agente prossegue: "Se quer saber minha opinião preciso ser honesto a respeito, eu não sei de onde essas coisas vêm. Mas nós estamos seguros de que não são daqui. Se há russos ou chineses a tripulá-las, ou pequenos homens verdes de Marte, eu prefiro afastar-me dessa especulação, pois quero que o foco seja a pura ciência. A nossa pergunta sempre foi " o que estamos a ver representa uma ameaça á segurança nacional?"
Elizondo apresentou a sua carta de demissão a 4 de Outubro passado, em protesto contra o que considerou excessivo segredo quanto ao assunto e a oposição interna que teve que enfrentar, escrevendo: "Há a necessidade de dispensar maior atenção aos muitos relatos da Marinha e outros serviços quanto a sistemas aéreos incomuns interferindo em plataformas militares de armamentos, e exibindo capacidades além da próxima geração dos nossos sistemas".

DEFESA DA CONTINUIDADE DA INVESTIGAÇÃO UFOLÓGICA OFICIAL

. Luis Elizondo complementa que não poderia falar em nome do governo, mas as suas declarações apontam fortemente para o facto de as evidências que existem impedirem que se deixe de lado a possibilidade de que os objectos observados pelos militares sejam alienígenas. Ele deixou claro que as aeronaves anómalas observadas pelos militares pareciam desafiar as leis da aerodinâmica: "Foram observadas coisas que não possuem nenhuma característica óbvia que permita o voo, nenhum  meio do limite saudável de forças G que um ser humano possa suportar". O senador Harry Reid, que actuou para a criação desse programa de investigação disse recentemente: "Estou orgulhoso desse programa e dos seus estudos revolucionários. É uma atitude tola e contraproducente politicar as sérias questões científicas levantadas por esse trabalho...".
Confira a entrevista de Luis Elizondo na CNN no vídeo abaixo:







quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

PENTÁGONO CONDUZIU INVESTIGAÇÃO UFOLÓGICA ENTRE 2007 E 2012



. De 2007 a 2012 o Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, conduziu uma investigação ufológica secreta sob o título de Identificação de Ameaças Aéreas Avançadas. A revelação veio por parte de um dos membros do projecto, Luís Elizondo, ex-oficial de Inteligência militar que renunciou o seu posto em Outubro último em protesto contra o segredo mantido a respeito do projecto. Elizondo trabalhava no Anel C do edifício do Pentágono, sob um orçamento de 22 milhões de dólares entre o final de 2008 até 2011. Dessa forma, a meio dum orçamento médio para Defesa de 600 biliões de dólares anuais, um programa tão pequeno era quase invisível. Elizondo afirma porém, mesmo o final do financiamento em 2012 não impediu a continuidade das investigações que tiveram início por determinação do senador Harry Reid, democrata do Nevada, que tem um longo histórico de interesse em fenómenos aeroespaciais.

(senador Harry Reid)

Boa parte do financiamento foi para a Bigelow Aerospace, de propriedade do bilionário norte-americano Robert Bigelow. A empresa, por sua vez, designou subcontratantes a fim de realizar o trabalho de pesquisa. Elizondo alega que ligas metálicas desconhecidas foram obtidas de fenómenos aéreos não identificados, e também foram estudadas pessoas que afirmaram terem experimentado efeitos físicos em encontros com esses objectos. O próprio Reid teria em 2009 feito um requerimento para aumentar o nível de segurança do projecto, em vista de progressos que foram feitos na identificação do que foi descrito como "achados altamente sensíveis quanto a objectos aeroespaciais não convencionais". O Pentágono, por sua vez, teria liberado um relatório em 2009 dizendo que "o que era considerado ficção científica era agora facto científico", e que os Estados Unidos não tinham capacidade de se defender contra algumas das tecnologias descobertas". Entretanto, o pedido de Reid foi negado.


VÍDEO LIBERADO SOBRE A PERSEGUIÇÃO DE UM OVNI POR CAÇAS DA MARINHA NORTE-AMERICANA


. O vídeo gravado em 2004 e agora liberado, mostra a perseguição de dois caças Boeing F/A-18F Super Hornet da Marinha norte-americana contra um OVNI descrito como do tamanho de uma avião comercial. Os pilotos afirmaram "que havia uma frota deles", e que o objecto parecia rodeado por algo como uma aura, viajava em alta velocidade e rodava. Além de Harry Reid, outros dois senadores apoiaram o projecto, Ted Stevens, republicano do Alasca e Daniel K. Inouye, democrata do Havai, que faleceram respectivamente em 2010 e 2012. O próprio Reid aposentou-se neste ano, e a respeito do projecto de investigação comentou: "Não estou envergonhado ou embaraçado por isso. Acredito que foi uma das melhores coisas que fiz no meu serviço no Congresso, algo que ninguém havia feito antes". Stevens e Inouye eram também membros do sub-comité do Senado para despesas da Defesa. Entre os que comentaram a revelação está a astrofísica Sara Seager, do MIT, que alertou para o facto de não saber a origem do fenómeno não significa que o fenómeno seja de outro planeta ou galáxia, dizendo: "Quando as pessoas afirmam terem observado fenómenos realmente incomuns sem dúvida vale a pena uma investigação séria a respeito. Mas o que as pessoas muitas vezes não entendem sobre a ciência é que por vezes temos fenómenos que permanecem inexplicáveis".



EXIGÊNCIA POR UMA MAIOR ABERTURA QUANTO AOS OVNIS NOS ESTADOS UNIDOS

. James E. Oberg, ex-funcionário da NASA e que há muitos anos desmistifica casos ufológicos, afirmou que existem eventos prosaicos que enganam a limitada percepção humana, e que o fenómeno OVNI tem sido utilizado para camuflar iniciativas cujos responsáveis não desejam publicidade. Contudo afirmou que a pesquisa é sempre bem vinda: " Poderia haver algo muito especial no meio desses relatos". A respeito do cancelamento do financiamento para a investigação o porta-voz do Pentágono, Thomas Crosson, disse que havia assuntos de maior prioridade que mereciam financiamento. Já Luís Elizondo questionou o Secretário de Defesa Jim Mattis na sua carta de renúncia a respeito da falta de financiamento, e salientou que a Rússia, China, Bélgica, França, Inglaterra e países da América do Sul como o Chile são muito mais abertos nessa questão que os Estados Unidos. Elizondo uniu-se a outros ex-funcionários governamentais, como Harold E. Puthoff e Christopher K. Mellon na iniciativa To the Stars Academy of Arts and Licencies, defendendo uma maior abertura científica mais aprofundada quanto ao fenómeno OVNI.






sábado, 23 de dezembro de 2017

FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO


. É com os votos de um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo, que desejo a todos os visitantes e seguidores do blogue. Que haja Paz na Terra, Saúde, e que o ano vindouro traga renovações e muitas realizações em todos os aspectos positivos. 






quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

DESCOBERTO OITAVO PLANETA NO SISTEMA SOLAR KEPLER-90


. Após a União Astronómica Internacional ter redefinido em 2006 o status de Plutão, classificando-o como planeta anão, restaram apenas oito planetas no nosso Sistema Solar. Agora, foi anunciado no passado dia 14 de Dezembro que esse mesmo número de planetas circula ao redor da estrela Kepler-90, situada a 2.450 anos-luz daqui e um pouco mais quente que o Sol. O achado deu-se de forma inovadora, analisando dados dos arquivos de informações colhidas pelo telescópio espacial Kepler da NASA, utilizando um sistema de Inteligência Artificial (IA) do Google com software de aprendizagem
Paul Hertz, director da Divisão de Astrofísica da NASA em Washington, disse: 
"Como esperávamos, há muitas descobertas nos arquivos do Kepler que aguardam por novas ferramentas tecnológicas que as encontrem. Isso mostra que há muito ainda para ser descoberto por pesquisadores e inovadores."
O Kepler procurava exoplanetas observando cerca de 150.000 estrelas numa pequena porção da Via Láctea, nas constelações Cygnus, Lyra e Draco. Lançado em 2009, teve a sua missão primária encerrada por problemas nos giroscópios em 2013, mas no ano seguinte iniciou a sua missão K2. O telescópio descobriu mais de 2500 mundos alienígenas confirmados, cerca de dois terços de todos os exoplanetas conhecidos. Na missão K2, na qual é estabilizado pela pressão da radiação solar, ele já descobriu 184 outros mundos. Os responsáveis pela descoberta de Kepler-90i (oitavo planeta dessa estrela), foram Christopher Shallue, engenheiro de softwares de IA da Google, e Andrew Vanderburg, astrónomo da Universidade de Austin, Texas. Eles treinaram um computador a reconhecer sinais de exoplanetas ainda desconhecidos nos dados do Kepler, utilizando um sistema de computação neural, que simula o cérebro humano. Shallue conta que, no tempo livre, procurou informações sobre a busca de exoplanetas com grande quantidade de dados, e encontrou os dados disponíveis da missão Kepler. Eles testaram o software em mais de 15000 sinais anteriores do Kepler, incluindo detecções confirmadas e falsos positivos, e descobriram que a rede neural identificava cada sinal correctamente em 96% do tempo. A seguir aplicaram o sistema a 670 sistemas solares onde já se sabia que havia vários planetas, pois havia probabilidade de existirem planetas adicionais.




MUITOS OUTROS MUNDOS AGUARDAM PARA SEREM DESCOBERTOS...

. Eles encontraram Kepler-80g, sexto planeta do seu sistema, a 1.160 anos-luz da Terra, que orbita uma estrela anã a cada duas semanas da Terra. O principal achado foi mesmo Kepler-90i, elevando o total de oito planetas, mesma quantidade do nosso e um a mais que Trappist-1. Esse mundo é provavelmente rochoso e é o terceiro mais distante da sua estrela. Contudo completa uma órbita a cada 14,4 dias terrestres e a sua temperatura deve ser muito elevada e inadequada á vida, com 430ºC na superfície. O Sistema Kepler-90 é bem distinto do nosso, pois embora os seus planetas internos sejam rochosos e os externos gasosos ele é mito mais compacto, com todos esses mundos inseridos numa distância inferior aquela da Terra ao Sol. A teoria é que os planetas migraram para órbitas mais próximas e estáveis, e pode ser que existam mundos em órbitas mais distantes, pois ainda existem informações não verificadas a respeito do sistema Kepler-90.






sábado, 16 de dezembro de 2017

UNIVERSIDADE NA TURQUIA PROPORCIONA CURSO DE UFOLOGIA E EXOPOLÍTICA


. A Universidade de Akdeniz, na província de Antália, na Turquia, é uma das mais reputadas instituições de ensino superior daquele país. Surgiu recentemente, através da agência de notícias Dogan, a informação de que essa universidade iria oferecer um novo curso, cujo título é Ufologia e Exopolítica. O docente que iria apresentar o curso é Erhan Kolbasi, que também lidera o Centro de Pesquisas de Ciências Espaciais e UFO Sirius, em Istambul. Erhan Kolbasi afirma:
"Acreditamos que representantes do nosso planeta mais cedo ou mais tarde irão fazer contacto oficial com civilizações extraterrestres. Deverá ser um contacto aberto e em massa, e será a maior mudança na história do mundo".
O curso é focado em preparação prática e diplomacia nos moldes do que defende a Exopolítica, uma das mais novas disciplinas da pesquisa ufológica, criada pelo Dr. Michael Salla.

(Panorâmica da Universidade) 



. A Exopolítica defende que aconteça, no âmbito do relacionamento entre as nações e instituições globais, o debate a respeito da presença alienígena no nosso planeta, com o intuito de incentivar a criação de normas e de uma base jurídica que prepare a nossa sociedade para o contacto oficial com os nossos vizinhos cósmicos. O líder do curso da Universidade Akdeniz, Erhan Kolbasi, afirma crer que o contacto oficial acontecerá nos próximos 15 anos, e que os alienígenas têm visitado a Terra há muito tempo. Ele defende ainda a polémica teoria de que certas tecnologias que hoje utilizamos foram desenvolvidas a partir de informações colhidas em acidentes com naves extraterrestres ao redor do mundo. Kolbasi ainda alega que um grupo secreto, o Majestic 12 ou MJ12, comanda o acobertamento de informações a nível global.